mudança

14 maneiras como a Internet está afetando a produção e o consumo de livros

Este não é um post com previsões sobre o futuro do livro. A maioria dos itens listados a seguir já são realidade. Reuni-os aqui porque contempla-los em conjunto permite à gente perceber as várias interligações das partes, ou seja, a já delineação de uma dinâmica produtiva para substituir ou pelo menos completar a que existe hoje.

Longe de estar provocando a morte do livro - nem a TV conseguiu a façanha -, a existência da plataforma digital com suas peculiaridades está criando novas oportunidades inclusive para se fazer dinheiro. E a vantagem será maior se a norma se confirmar e as editoras ficarem presas ao modelo anterior e não tirarem proveito da posição que têm hoje para ocupar novos espaços.

Seu comentário é bem-vindo para contestar ou adicionar outras perspectivas a este panorama.

  1. Redução do tamanho – para “caber” no ritmo de uso dos dispositivos móveis; é um livro condensado, com capítulos do tamanho de uma ou duas páginas, para ser lido em trânsito.
  2. Modular – vários autores contribuem com pedaços pequenos para a constituição de coletâneas. Exemplo: Para Entender a Internet - baixe o PDF. Professores montam seu livro didático como oferece o CK12.org com os "flexbooks".
  3. Reciclagem - Existe muito material disponível, mas disperto pela Rede. Ele precisa ser identificado, selecionado e ordenado para virar livro. Uma seleção de posts de diversos blogs é um livro esperando para acontecer.
  4. Grátis e vendido – documento integral fica disponível em formato digital, indicando ao leitor o link para compra de exemplar impresso, caso haja interesse. Aqui um exemplo.
  5. Leitor faz a divulgação – como o livro é grátis, o leitor se encarregará de recomendar a leitura dentro de seus círculos de relacionamento. A promoção espontânea reduz ou substitui o custo de promoção.
  6. Impressão sob demanda – O livro em papel será impresso sob demanda em sites que oferecem a possibilidade de compra sob demanda como, no Brasil, faz o www.clubedeautores.com.br.
  7. Produção facilitada – versões do programa IBooks que facilita a edição e formatação de livros, devem se popularizar oferecendo condições de uso ainda menos restritivas do que as do produto da Apple.
  8. Divulgação – da mesma maneira como o músico faz discos mas ganha dinheiro com shows, o autor fará livros para divulgar seu trabalho e expandir suas oportunidades de trabalho.
  9. “One-man publisher” – Com tanto conteúdo disponível, o curador que garimpa produtos bons para determinados públicos pode existir independente da estrutura produtiva da editora. Ele terá um selo de qualidade para referendar produtos.
  10. Publicidade – um livro grátis e com potencial para se tornar popular abre a possibilidade para a venda de espaço promocional (de forma mais comedida, não como em revistas). O anunciante se torna o “mecenas” que dá as condições para o trabalho ser feito.
  11. Assinatura – outro recurso para a remuneração do autor é pela venda de assinaturas para exemplares impressos como faz a revista Orsai.
  12. Participação – o "monólogo" do autor nas páginas do livro pode ser incrementado com a possibilidade de interação de leitores entre si e destes com os autores.
  13. Atualização dinâmica - O livro não precisa esperar uma tiragem se esgotar para ser revisado; o(s) autor(es) pode(m) manter o conteúdo revisado e atualizado no mesmo ritmo dos softwares.
  14. Conteúdo multimídia - Livros oferecem a possibilidade de explorar temas usando recursos multimídia como vídeos e animações.
Comentários



Wave: se essa é a proposta do Google para dominar o mundo, me diz onde eu assino

O email é a plataforma de comunicação online mais usada hoje, mas é uma ferramenta que existe há mais de 40 anos. O que aconteceria se pegássemos tudo o que foi desenvolvido nessas últimas décadas em termos de técnologia de comunicação em rede para criar uma versão atual do email? Vamos pegar blogs, fóruns, chat, wiki e o que mais existir por aí para montar alguma coisa que ocupe o lugar do email.

O problema do email é que ele copia informação. Quando voce manda um email para alguém, essa pessoa receberá no computador dela uma cópia do arquivo de texto que você escreveu. Nenhum problema nisso até você adicionar outros participantes na conversa e cada pessoa começar a ter versões diferentes de um monte de mensagens (des)organizadas umas sobre as outras, com comentários feitos em cores diferentes entre frases e parágrafos, muitas variedades de formatação e tudo mais que quem usa email conhece bem. O email é inspirado na carta, que serve para a comunicação entre duas pessoas. Como torná-lo mais eficiente para conversas em rede? Esse é o desafio da equipe que desenvolve o Wave. (Continue lendo - é mais rápido - ou assista a apresentação de 1h20 em inglês a seguir.)

Comentários



Para onde o blog e o blogar estão indo - eis minha aposta

BlogueiroFaz tempo que este blog está em processo de mudança. Devo ter postado alguma coisa sobre isso, mas estava esperando o processo principal de implementação de novas funcionalidades estar concluído para publicar/compartilhar.

A idéia central é que apesar da mídia social ser um assunto muito importante na minha vida, existem várias outras coisas que me interessam também e que eu tenho vontade de compartilhar. Ao invés de ser uma "revista de um homem só", quis fazer deste espaço a minha presença online.

(Isso é fruto da percepção de que as redes de relacionamento podem ser constituídas de maneira descentralizada por blogs interligados pela conversa de seus autores. E também da sensação de que blogs de pessoas se valorizam pela informalidade, por se despirem dos cacoetes institucionais.)

Isso se materializa na prática incorporando a este blog outros tipos de conteúdo, mas com a preocupação de que isso fique localizado em um espaço separado de maneira a não confundir quem só esteja interessado nas reflexões e informações sobre Web colaborativa.

Segue a relação das mudanças junto com ligeira explicação sobre o motivo de cada um.

Outros interesses: Usei o Friedfeed para juntar os meus rastros na rede, incluindo: links salvos no delicious, fotos compartilhadas no Flickr, atualizações referentes à vida profissional no LinkedIn, alguns comentários enviados pelo Twitter, itens marcados para a minha wish-list na Amazon, vídeos favoritados e próprios no YouTube, entre outras coisas.

Essa informação está aparecendo na coluna da esquerda.

Postagem pelo Tumblr: O Tumblr facilita o processo de registro de coisas interessantes que vamos encontrando ao navegar pela Rede. Você acha uma coisa bacana, clica no botão que aparece no navegador e o serviço envia o conteúdo da página para uma espécie de blog.

Agora, o "motor" do NãoZero, a cada hora, checa a minha página no Tumblr para ver se tem alguma coisa nova e se tiver, traz para este blog. Assim, vou poder compartilhar coisas pequenas, passageiras, que, do contrário, ficariam de fora porque daria muito trabalho abrir o admin do blog para fazer o post.

Acesso móvel: Ter a possibilidade de acessar a Web pelo celular não é apenas um facilitador para se compartilhar conteúdo nas horas vagas. Esse conteúdo transmitido pelo aparelho móvel pode incluir contexto, informação relacionada ao espaço em que se está.

O tecladinho é um elemento que facilita a produção e publicação de texto. O mesmo equipamento, um N95 da Nokia, permite a captura de fotos, vídeo e audio em qualidade razoável - levando-se em consideração que tudo isso está dentro do mesmo aparelho.

Mas além de capturar, o bacana é ter acesso à internet por banda larga via celular para evitar ter que sincronizar o conteúdo no computador para depois publicar. Simplifico o processo cortando a etapa de sincronização com a máquina decidindo, logo ao tirar a foto, se quero compartilhá-la.

(Isso também vale para a agenda de contatos e compromissos, mantidas atualizadas do celular para a Web e vice-versa, sem passar pela HD do computador.)

Comentários inteligentes: Já tinha comentado aqui que a funcionalidade comentário é importantíssima mas estava desatualizada.

Optei por usar um serviço gratuito chamado Intense Debate, que, entre outras coisas, integra comentários a email e Twitter, permite a avaliação de cada comentário pelos usuários e disponibiliza opções para cultivar o debate enriquecedor e barrar o ruído.

Enfim, acho que essas são as principais mudanças.

Mais uma vez, agradeço de coração e publicamente ao André, por fazer as mudanças no motor do blog para que muitas dessas novidades pudessem funcionar e também por ter, junto comigo, debatido sobre o sentido e as vantagens de cada item, especificamente sobre o conceito de reunir a presença online e facilitar a postagem.

Valeu, mancebinho!

Comentários



Syndicate content