Warning: Table './db186965_naozero/watchdog' is marked as crashed and should be repaired query: INSERT INTO watchdog (uid, type, message, variables, severity, link, location, referer, hostname, timestamp) VALUES (0, 'php', '%message in %file on line %line.', 'a:4:{s:6:\"%error\";s:7:\"warning\";s:8:\"%message\";s:40:\"Creating default object from empty value\";s:5:\"%file\";s:93:\"/nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc\";s:5:\"%line\";i:33;}', 3, '', 'http://www.naozero.com.br/taxonomy/term/173', '', '54.80.157.133', 1511533962) in /nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/includes/database.mysql.inc on line 135
crítica | Não Zero

crítica

warning: Creating default object from empty value in /nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 33.

Por que o Brasil é tão respeitado pelos gurus da internet? Conversa com José Murilo Junior

No Digital Age me chamou a atenção que Lessig e danah boyd tivessem falado tantas vezes e com tanta ênfase da importância do Brasil no cenário internacional em favor da defesa da cultura aberta, sem tantas restrições como as que são impostas pelas leis de direitos autorais hoje.

Aproveitei um papo via messenger com o José Murilo Junior - que é um dos evangelistas do governo federal nessa área, e que trabalha no MinC e acompanhou de perto o trabalho do Gil nesse âmbito, além de ter viajado muito trocando experiências pelo mundo - para perguntar até que ponto essa opinião sobre o Brasil era deslumbre e em que medida é uma percepção consistente.

A conversa foi rápida, mas elucidativa na medida em que me senti seguro de que o ex-ministro Gil sabia do que estava falando quando se referia à ética hacker, inclusive porque essa ética está intimamente relacionada ao projeto artístico de canibalismo cultural lançado pelos Modernistas e recuperado nos anos de 1960 pelos Tropicalistas.

Enfim, quem quiser, leia e tire suas conclusões.




Origem da polêmica sobre blogs de aluguel

Há pouco tempo escutei pela primeira vez o termo "publieditorial". É o nome dado ao post pago em blogs. O anunciante não quer aparecer pelos caminhos tradicionais como banners e paga para o blogueiro inserir uma mensagem promocional como parte do conteúdo editorial do blog.

Fiquei sabendo na semana passada de uma ação da Coca-Cola. A empresa mandou para nove blogueiros uma bebida nova junto com uma mini-geladeira. Na sexta, o Bluebus noticiou a campanha classificando os blogs envolvidos como blogs de aluguel.

Acompanhei a polêmica de perto porque estava no dia com o Ziggy, do Sim, Viral, meu colega na Knowtec e um dos blogueiros escolhidos para a ação. Ele estava indignado por considerar que a nota do Bluebus assustava o mercado sem motivo colocando em dúvida a reputação dos blogueiros.

O Bluebus publicou na sequência que não considerava "blog de aluguel" um termo pejorativo, mas a reação dos leitores indicava o contrário, de que a nota ecoou entre pessoas que consideravam que blogueiros estão vendendo a alma. (Todos os posts do BB sobre o assunto aqui.)




Blogs de aluguel: profissionais online defendem ação da Coca com blogueiros

Resolvi sondar alguns profissionais do mercado de comunicação online para ver a percepção deles sobre conteúdo publieditorial e particularmente sobre a ação da Coca-Cola. Muitas delas responderam acrescentando perspectivas originais a uma discussão geralmente viciada e previsível.




Nem toda empresa está preparada para blogar; entrevista com Thiane Loureiro

Em 2007 aconteceu o primeiro BlogCamp e um dos assuntos das conversas de corredor era a febre de interesse sobre como se ganhar dinheiro blogando. Como medir resultados, atrair tráfego, usar o Page Rank, fazer marketing viral - isso monopolizou a atenção da maioria dos participantes. Na mesma época em que o sentimento de hostilidade e desconfiança entre blogueiros e jornalistas se tornou público, alguns blogueiros contraditoriamente acusavam os jornalistas de serem profissionais vendidos ao mesmo tempo em que se esforçavam para vender seus serviços.

Tive vontade de entrevistar a Thiane ao descobrir que compartilhávamos a impressão de que o blog estava sendo promovido a partir de motivações emocionais e eventualmente confusas, mais do que pensando nas vantagens e também nas dificuldades que aparecem pela adoção dessa ferramenta no ambiente corporativo.




Syndicate content