Sobre

Fotógrafo: Renato TargaSou um historiador que se encontrou pesquisando histórias de vida com o professor José Carlos Sebe, depois se encontrou mais um pouco brincando e descobrindo o mundo das mídias sociais durante os primeiros anos da internet comercial, depois misturou histórias de vida com mídias sociais no (agora falecido) projeto Viva São Paulo, que depois descobriu que gostava mesmo era de escrever livros, mas que ainda encontrou a antropologia pelo meio do caminho e se apaixonou pelo assunto, sacramentou o casamento de tudo pelo mestrado em antropologia digital e agora, até 2015, é doutorando da UCL e faz trabalho de campo sobre adoção de sites de relacionamento no Brasil dentro do projeto Social Networking and Social Sciences Research Project. Ufa!

Agora, com mais detalhes:

De janeiro a outubro de 2010, tive a honra de participar da equipe de comunicação que acompanhou a senadora Marina Silva durante a campanha presidencial, atuando como evangelista de mídias sociais. O NãoZero é onde eu reúno a minha vida online. Sou autor dos livros Conectado e Tudo o que você precisa saber sobre Twitter, organizador do e-livro Para Entender a Internet, e um entusiasta declarado das tecnologias de comunicação para a colaboração em rede.

Conectado é o primeiro livro escrito no Brasil sobre mídias sociais e, segundo o Índio Brasileiro, é "o único que ensina na teoria o que só se aprende na prática".

Participei dos seguintes projetos ao longo de mais de doze anos atuando na indústria da Internet:

Gilberto Kassab - Talk Interactive, 2008 — A Campanha Kassab foi uma das primeiras do Brasil a pôr em prática ações para catalisar a força da militância online, utilizando de maneira consciente blog, rede social e outras ferramentas. Fui o coordenador de mídias sociais, responsável pelo relatório diário de monitoramento da Web e organizador de ações especiais como o KassabCamp e o encontro do candidato com blogueiros.

RadarCultura.com.br - Fundação Padre Anchieta / Blaz, 2007-2008 — O site permite que a audiência intervenha na programação da rádio Cultura AM, escolhendo músicas, propondo programas, compartilhando arquivos e interagindo com a equipe de produtores e jornalistas para debater pautas.

LeiaLivro.com.br - Governo do Estado de SP, 2003-2007 — Pelo site, leitores assíduos compartilham resenhas de livros. As melhores rendem boletins de rádio transitidos por 12 emissoras em quatro estados. Mais de 40 das principais editoras brasileiras enviam livros para premiar as melhores resenhas e aumentar as chances de seu catálogo ser promovido.

VivaSP.com - Grupo Estado, 2003-2008 — O Viva São Paulo abriu uma janela para se conhecer a vida de moradores comuns da cidade, que compartilham lembranças pelo site. As melhores se tornam boletins transmitidos diariamente pela emissora. O projeto estreou na Rádio Eldorado nos 450 anos de São Paulo e permaneceu na programação.

A revista online Webinsider abriu espaço, em 2003, para eu compartilhar minhas primeiras reflexões sobre mídias sociais. Entre outros, publiquei lá um artigo sobre redes de clientes de garotas de programa, destacando Bruna Surfistinha, então uma personagem desconhecida. Também saiu lá o que parece ter sido o primeiro texto publicado no Brasil sobre o Orkut.

Comecei a trabalhar nesta indústria na StarMedia, de 1997 a 2001. Minha principal ocupação foi produtor do Eventos, um canal de chats com celebridades e especialistas para Espanha, Estados Unidos e América Espanhola. Participaram dos chats, entre outros, o presidente Vicente Fox do México e o músico pop Carlos Santana.

Em plena crise pós-Bolha da Internet, fui (resgatado) para o Caribe para atuar como gerente de comunidades da AOL em San Juan, Porto Rico. Fiquei lá de 2001 a 2003 e fui responsável por introduzir o conceito e as formas de aplicação de ferramentas colaborativas para a equipe de jornalistas da empresa, como o objetivo de ampliar a permanência dos assinantes nos canais internos utilizando ferramentas de chat e murais de mensagem.

A Tati é o meu amor.

Há muito tempo, em uma galáxia muito, muito distante, me formei bacharel em História pelo Departamento de História da USP. Mas desde sempre reparo em máquinas que servem para telecomunicação.