Resumo Não Zero - rapidinhas

O curso deste semestre de Clay Shirky no exclusivíssimo Interactive Telecommunication Programa da NYU se chama "gerado por usuários". Os alunos estudarão, "entre outras coisas, a tensão rodeando esse termo ... [vinda das] companhias tradicionais de mídia, pela maneira como publicidade pode ser colocada junto com material que não tiver sido criado por Profissionais Treinados TM". Shirky sugere o termo mais antropologicamente correto - será que ele está sendo irônico? - "conteúdo nativo", o que quer dizer "criado por nativos para eles mesmos usarem".




Contatos além-mar

Estou falando com amigos e fazendo pesquisa para tentar promover meu livro em portugal. Na medida em que falamos (praticamente) a mesma lingua e que comprar pela internet é (praticamente) fácil, imagino que existem potenciais interessados do outro lado do Atlântico.




Lançamento "Hipertexto, Hipermídia" dia 21 na Cultura do Conjunto Nacional

Estou curioso para ler este novo livro sobre comunicação online. Conheci a Pollyana, uma das autoras e organizadora da obra, no BarCamp SP, mas ainda não conversamos direito. Ela escreve no Remix Narrativo, termina o doutoramento e ensina na PUC. O evento será no dia 21 de agosto, uma terça-feira. Saiba mais aqui. Estarei lá.




Prós e contras do Second Life - um texto colaborativo

No final de julho o Chris Anderson, editor executivo da Wired e autor do best-seller "Cauda Longa", publicou um post em seu blog explicando o motivo dele ter desistido do Second Life. Transcrevi os principais argumentos dele em meu blog e o texto foi destacado na WebInsider. Isso chamou a atenção de pessoas defendendo os dois lados. Segue um resumo editado das informações e argumentos expostos.




Não-zero entre vendedores das lojas de celular

Passamos várias horas do domingo andando de carro pela cidade. Isso porque eu não consegui, após ligar várias vezes para o SAC da minha operadora, saber onde ficam as lojas da própria operadora e o horário de funcionamento. Será que eu são tão poucas pessoas que precisam dessa informação? Também tive dificuldade para achar isso no site. Resultado: peregrinamos por São Paulo. Passamos por três shopping centers e quatro bairros até encontrar. Mas valeu. Dois casos merecem registro.




Mais ou menos 500 pessoas

É um mundo pequeno. Você nem tem que viver muito para aprender uma coisa dessas sem que ninguém lhe ensine. Existe uma teoria sobre como no mundo inteiro só existem 500 pessoas reais (o elenco, por assim dizer; todas as outras pessoas do mundo, diz a teoria, são figurantes) e todas se conhecem. Na realidade, o mundo contém milhares e milhares de grupos de mais ou menos 500 pessoas que passarão a vida se encontrando, se evitando, se esbarrando numa improvável casa de chá de Vancouver. O processo é inevitável. Não é sequer coincidência. É apenas uma maneira como o mundo funciona, sem consideração pelos indivíduos ou pela adequação.

Li esse parágrafo hoje, quase no final do livro Os filhos de Anansi, de Neil Gainman. E no trabalho passei várias horas do dia "filtrando" a minha agenda de contatos, que venho acumulando há uns dez anos... Não sei exatamente quando essa lista começou a ser formada, foi junto com a minha conta de email no Yahoo. Fui exportando o arquivo com emails dos contatos de um computador para outro, de uma conta de email para outra, e mais ou menos automaticamente esse arquivo foi registrando o histórico das minhas interlocuções nesse período. Graças principalmente ao Thunderbird, cada vez que eu recebi e respondi um email nos últimos anos, o endereço dos destinatários ficou gravado na cada vez maior lista de contatos.




Muito barulho por (quase) nada

Estávamos considerando fazer um lançamento virtual do meu livro no Second Life. Na troca de emails com a editora, confessei saber pouco do assunto. Há uns poucos minutos abri o blog onde o Chris Anderson publica suas discussões sobre cauda longa. O título do último post: Por quê eu abri mão do Second Life. Para quem não sabe, além de autor consagrado, ex-jornalista da The Economist, etc, ele é hoje editor-chefe da Wired. O que ele fala tem peso. Leia alguns trechos selecionados desse post a seguir




BlogCamp em SP no fim de agosto

Ter participado do último BarCamp foi fundamental. Pelos contatos, pela troca de idéias e mais ainda por ver funcionando a "desconferência" - grátis, sem comando central e relevante. Abrimos, na ocasião, uma conversa sobre como funcionaria um site para radicalizar ainda mais as possibilidades de eventos como esse. Enfim, tem outro BarCamp - com temática mais focada em blogs - que vai acontecer nos dias 25 e 26 de agosto, no Espaço Gafanhoto. Increva-se aqui. Estarei lá.

Sobre: BlogCamp segue o modelo de "desconferência" já consagrado pelo BarCamp: reunir gente interessada em blogs, disposta a trocar experiências, colaborar. O evento é organizado informalmente, enquanto acontece, sem ter uma programação fechada ou palestrantes definidos - são os próprios participantes que decidem a grade de discussões no começo de cada dia.

Onde: Gafanhoto - Avenida Rebouças, 3181, SP




Lançamento e debate em SP

Conectado deve sair da gráfica na última semana de agosto. Hoje fechamos os últimos detalhes do lançamento em São Paulo. Está marcado para o dia 5 de setembro, às 19:30h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, pertinho da estação Consolação do Metrô.

O evento terá duas partes: um pequeno debate e depois a sessão de autógrafos, a partir 20:45h mais ou menos. O tema do debate é Quem comanda a internet: amadores ou profissionais?. Vou estar na mesa acompanhado pelo Alexandre Matias do Link e pelo Luli Radfahrer da ECA/USP.

O tema do debate se encaixa bem no assunto do livro. Profissionais da mídia estão precisando se reinventar para acompanhar a abertura de acesso a fóruns públicos de comunicação. Será que ainda existe espaço para um especialista nesse campo ou a comunicação para audiências fará parte das necessidades básicas do indíviduo para existir socialmente? Tecnologicamente fará sentido ter uma pessoa que escolha e empacote as notícias para a sociedade?

Faz sentido?




Primeiro post

Está no ar, finalmente, o site que acompanha o livro Conectado - O que a internet fez com você e o que você pode fazer com ela. Na verdade, o blog não é do livro, não é complemento, é um produto autônomo, vivo, para aproximar pessoas que se interessam por colaboração online e assuntos relacionados.

O André Avório, do Blaz.com.br, foi quem muito generosamente se ofereceu para levantar esta ciber-barraca, feita sob encomenda, em Drupal. É tão sofisticada que ainda não aprendi a usá-la direito. Ainda faltam alguns ajustes, mas o principal está de pé.

Bem-vindo e volte sempre.




Syndicate content