Wave: se essa é a proposta do Google para dominar o mundo, me diz onde eu assino

O email é a plataforma de comunicação online mais usada hoje, mas é uma ferramenta que existe há mais de 40 anos. O que aconteceria se pegássemos tudo o que foi desenvolvido nessas últimas décadas em termos de técnologia de comunicação em rede para criar uma versão atual do email? Vamos pegar blogs, fóruns, chat, wiki e o que mais existir por aí para montar alguma coisa que ocupe o lugar do email.

O problema do email é que ele copia informação. Quando voce manda um email para alguém, essa pessoa receberá no computador dela uma cópia do arquivo de texto que você escreveu. Nenhum problema nisso até você adicionar outros participantes na conversa e cada pessoa começar a ter versões diferentes de um monte de mensagens (des)organizadas umas sobre as outras, com comentários feitos em cores diferentes entre frases e parágrafos, muitas variedades de formatação e tudo mais que quem usa email conhece bem. O email é inspirado na carta, que serve para a comunicação entre duas pessoas. Como torná-lo mais eficiente para conversas em rede? Esse é o desafio da equipe que desenvolve o Wave. (Continue lendo - é mais rápido - ou assista a apresentação de 1h20 em inglês a seguir.)

Informação unificada - A primeira coisa a fazer é parar de mandar cópias dos documentos e unificar esse arquivo de maneira que o que cada pessoa que participar da conversa (ou da onda) esteja vendo a mesma coisa. Alguém provavelmente está lendo agora e pensando que esse é o mesmo princípio dos wikis e de outras ferramentas de redação colaborativa como o GDocs do Google. Isso mesmo e essa descoberta nos conduz ao segundo insight importante sobre o Wave: que o princípio da comunicação em rede é o mesmo para tudo o que a gente usa.

O que é uma conversa via MSN? Você escreve e o outro recebe e responde. O que é um blog? Você publica para outras pessoas verem. O que é ter um perfil no Orkut? Um diálogo entre você e pessoas. E o que é um comentário deixado em um blog? Uma mensagem entre você e as pessoas que leram aquele texto. A mesma coisa vale para qualquer produto. Na raiz o que acontece são sempre conversas entre você e o mundo, sendo que esse mundo pode ser só você, uma pessoa, algumas poucas pessoas, muitas pessoas ou qualquer pessoa.

Canal unificado - Você nunca pensou que o conteúdo de uma mensagem enviada por email poderia tranquilamente tornar-se um post? Ou que aquela conversa que voce teve por Skype poderia render um podcast ou um videocast? Basicamente você tem: 1) o conteúdo gerado pela interação - texto, audio, imagem, video; e 2) o grau de visibilidade que voce quer dar a ele depois que estiver produzido - para um, vários, muitos ou conteúdo público. O Google Wave serve para isso: unificar a comunicação, você passa a ter apenas um canal para transmitir e receber, e todo conteúdo gerado a partir dessa interação é unificado.

Resumindo: uma conversa tem dois elementos - os participantes e a mensagem transitida. O Wave atua nesses dois planos: unificar a conversa para que ela seja sempre clara e compreensível para todos e unificar o canal para que os participantes não desperdicem tanto tempo usando ferramentas diferentes para situações diferentes.

Não sei se é necessário mas, em todo o caso, vou dar exemplos. Você manda uma mensagem para alguém. Se ela não está conectada no momento, isso pode ser chamado "email", mas se ela está, passa a ser uma mensagem por comunicador instantâneo (MSN, GTalk, etc). Acontece que, para cada tipo de conversa, temos um canal específico hoje. Para conversar individualmente temos email e comunicador instantâneo, para escrever textos colaborativamente temos wikis, para compartilhar fotos temos Flickr e Picasa, para falar por voz temos Skype, para falar publicamente temos blogs e fóruns. Então, por que não juntar isso tudo, reduzindo a quantidade de programas e serviços que, no fundo, apenas levam e trazem dados? Essa é a ambição do Google Wave, se tornar esse portal entre o indivíduo e o mundo.

Imagine o esforço que temos hoje para, por exemplo, participar de conversas dentro das áreas de comentários de blogs. A plataforma, nesse caso, é a Web. Você deixa o conteúdo lá e tem que ficar voltando para ver se alguém interagiu com você. Algumas soluções recentes, como o Intense Debate, que eu uso no NãoZero, reenviam a mensagem por email de modo que eu não preciso ficar tentando acompanhar todas as frentes de discussão, mas, ainda assim, eu estou recebendo cópias dessas mensagens. Pelo Google Wave, essas mensagens estão unificadas, então, participar de uma discussão em uma lista, participar de um fórum ou debater em uma área de comentários passam a ser a mesma coisa: a conversa está unificada no nível do documento (é o mesmo documento) e no nível do canal para receber e transmitir: tudo acontece a partir da mesma plataforma, no caso, o Google Wave. Eu não preciso ir a lugares diferentes para participar de conversas diferentes, as conversas estão unificadas e eu vou ao mesmo lugar para ter acesso a elas(!)

A diferença entre controlar e conduzir - É bem capaz que você esteja pensando no poder que isso conferiria a uma empresa e aí entra uma questão que não tem nada a ver com tecnologia. O email se tornou a ferramenta mais usada do mundo por ele ter aparecido primeiro e também (muito importante) porque o protocolo dele é aberto, o que quer dizer que qualquer pessoas pode criar aplicativos para mandar e receber emails. Se o Google estivesse produzindo alguma coisa que implicasse em que as pessoas e empresas ficassem subortinadas ao Google, isso criaria dois problemas: 1) alguns poderiam não quer migrar por questões de segurança ou; 2) outros poderiam não querer migrar para não ter que abrir mão daquilo que já estão acostumados.

Seria muito mais fácil criar o Wave como um ambiente fechado, de modo que você precisasse estar dentro do Google para usá-lo. Só pelas possibilidades e facilidades e pelo fato de já muitas pessoas estarem usando uma série de ferramentas e terem contas, o Google teria um número respeitável de usuários, mas o Google está dispostos a abrir mão da propriedade desse projeto para ir ainda mais longe e ter a oportunidade de - ao invés de ser dono do projeto - conduzir a conversa. Nesse sentido esse projeto é histórico, porque pretende impactar a vida de milhares de pessoas e deverá fazer isso incorporando / exemplificando a mudança de paradigma trazida pela internet: compartilhar é melhor do que guardar - não por isso representar uma postura altruista mas por isso ser o que atrairá mais pessoas para a conversa. Enquanto você fizer isso primeiro e com relevância, o foco estará em você.

Código aberto, interoperabilidade, internacionalidade - É por isso que o produto foi anunciado antes dele estar disponível publicamente, para "contaminar" a comunidade de desenvolvedores com a idéia do que se pode fazer com o Google Wave. É possível usar a plataforma fora dos servidores Google. É possível também desenvolver aplicativos para funcionar dentro da plataforma. É possível ainda misturar (mashupear) plataformas, por exemplo, levar o Twitter para dentro do Wave e usar os dois juntos. E é possível ainda interferir, no nível jurídico e no acordo que definirão as regras para a criação disso que o pessoal do Google Wave chama de "federação", que é o acordo para que os diversos participantes aceitem interagir com o Google.

Um último detalhe que o produto ataca e aparentemente resolve e que não está no nível da tecnologia e sim do mundo como ele é ou está hoje, um mundo moldado pela existência de países e bolsões linguísticos. Não é o fato da internet existir que permitirá que pessoas que falam línguas diferentes possam se comunicar. Já existem soluções para isso, tradutores online e, por conta do Adote um Parágrafo, estou muito impressionado com o grau de efetividade dessas ferramentas, mas, de novo, se eu tiver que copiar um email e colar no tradutor e voltar, eu terei que precisar muito entender a conversa para me dar a esse trabalho. Agora, se isso fizer parte do mesmo ambiente, se eu puder conversar com alguém, ela na língua dela e eu na minha, sem precisar fazer malabarismos com o teclado e o mouse, o que de oportunidade isso abre na minha vida para comunicação e colaboração.

Resumo - Na verdade e resumindo essa reflexão ao mínimo, enxugando os detalhes para chegar à essência, o que o Google está demonstrando com o Wave é que essas duas coisas são a mesma coisa. Não existe conversa sem troca da mesma maneira como não existe colaboração sem troca. Pode ser uma conversa baseada em informações falsas ou imprecisas, e o resultado será marcado por essa característica da troca, mas continua sendo uma troca. Falar com alguém na rua implica em troca, fazer uma reunião, idem, todo tipo de interação social implica em envio e recebimento de informação e finalmente deveremos gastar menos tempo pensando nos canais e dedicar mais tempo na qualidade do conteúdo em si.

Será um grande alívio e certamente é a direção a ser seguida.