Facebook pode ameaçar o Orkut no Brasil, mas precisa se manter relevante no mundo

Mark Zuckerberg veio ao Brasil por reconhecer que se trata de um mercado importante, pela quantidade de usuários de internet no país e também pela quantidade de pessoas que já usam redes sociais - em função da adoção massiva do Orkut.

Perguntado sobre como pretende disputar espaço com o Orkut, ele explicou que o Google parou de investir no Orkut há dois anos e que, por isso, o Facebook poderá atrair usuários por oferecer um serviço melhor. Faz sentido: enquanto o Google tem muitas iniciativas para administrar, o Facebook só pensa em rede social e tanto está acertando que tem 250 milhões de pessoas registradas no mundo.

A seguir, compartilho algumas considerações sobre o FB argumentando que, sim, ele é hoje o principal concorrente do Orkut no país, mas que terá que se manter na crista da onda da Web nos próximos anos para ser um serviço importante no Brasil.

FB pode se tornar a alternativa ao Orkut

A primeira informação compartilhada pelo nosso visitante ilustre ontem foi que o Facebook dobrou de tamanho no Brasil nos últimos 2 meses e está agora com 1,3 milhão de usuários. Esse é um salto que merece atenção porque, até onde eu sei, o FB não está fazendo campanhas para estimular a adesão entre brasileiros e também não está aparecendo nos jornais como o Twitter.

Não tenho a informação detalhada de quem são essas pessoas que massivamente adotaram o FB recentemente, mas especulo que elas sejam órfãos do Orkut buscando um espaço para se relacionarem com seus conhecidos que não tenha a presença massiva da classe C e nem de adolescentes.

"Junte-se aos bons e serás um deles"

Não custa lembrar que, nos EUA, o MySpace era a rede social das massas, o correspondente norte-americano do Orkut, e foi destronada recentemente pelo Facebook. E o contexto em que isso aconteceu foi parecido com o que temos hoje no Brasil.

Nos EUA o Facebook se tornou a rede social "bacana", onde as pessoas "populares" estão. No começo, quando o serviço foi lançado, só a elite universitária do país tinha acesso e essa se tornou a principal estratégia de promoção do site. Fazer parte do serviço virou uma medalha, um item diferenciador, algo que dava prestígio. E ao reunir formadores de opinião / segmento com mais poder de compra, o FB ganhou progressivamente mais atenção da imprensa e também de investidores.

Como não há concorrentes ao Orkut no Brasil, é provável que o FB mantenha esse ritmo de crescimento nos próximos dois anos e se torne a segunda rede social mais popular do país - para roubar o domínio do Orkut, ele teria que incorporar a classe C. Por outro lado, para continuar crescendo no Brasil, ele terá que conservar sua posição de principal rede social do mundo.

Limitações e desafios do FB

O FB é por default fechado. A pessoa precisa se inscrever no serviço e ter contatos lá dentro para o site fazer sentido. Por isso, um aplicativo para o FB tem uma audiência potencial de 250 milhões hoje. No Twitter, onde a informação postada é pública, qualquer pessoa com acesso à internet pode tirar proveito do conteúdo, mesmo não fazendo parte da comunidade.

A principal diferença entre FB e Twitter é a estrutura de contatos. Enquanto o FB só entende a existência de "amigos" (eu te conheço, você me conhece), o Twitter reconhece a existência de vínculos unilaterais (eu te conheço, você não me conhece). Ao limitar as possibilidades de interação para amigos, o FB restringe o potencial da rede de disseminar informação.

O principal indício de atraso do FB em relação aos serviços que vêm aparecendo recentemente é a integração com celulares. Por mais que o FB tenha 50 milhões de usuários administrando seus relacionamentos pelo celular, ainda assim ele foi pensado para funcionar no computador, com tela grande e teclado completo. Já o Twitter - e não só ele - funciona a partir de mensagens de 140 caracteres, integrada ao monitor, ao teclado e à velocidade relacionados ao uso do celular.

Enfim...

Não faltam casos na internet de gigantes que desapareceram com a mesma velocidade com que surgiram - qual estagiário hoje ouviu falar do sistema de moderação colaborativa do Slashdot.org, que depois evoluiu e se popularizou mais pelo Digg.com? Há meros quatro anos isso era o supra-sumo da Web. Uns poucos sobrevivem e consegue se manter ao mesmo tempo grandes e ágeis por mais de cinco anos, como é ainda o caso do Google. Não sou otimista em relação ao FB, mas espero ser surpreendido.